Água salgada para infecção vaginal: é um bom remédio caseiro?

[anuncio_1]

Anuncio

Quando você sentir coceira ou uma sensação de queimação lá embaixo, você deve fazer um exame. Pode ser uma infecção vaginal por fungos, que é observada principalmente em mulheres que ainda estão em estágio reprodutivo. De acordo com o Institute for Quality and Efficiency in Health Care, a infecção vaginal por fungos é bastante comum, pois até 75 em cada 100 mulheres a apresentam pelo menos uma vez na vida. Um ginecologista pode sugerir o que fazer se você tiver uma infecção vaginal. Mas experimentar remédios caseiros também é atraente para muitos. Água salgada para infecção vaginal ou até mesmo aperto é algo que algumas mulheres sugerem. Mas a água salgada é segura para usar na vagina?

HealthShots consultou a Dra. Chetna Jain, Diretora do Departamento de Obstetrícia e Ginecologia, Grupo de hospitais Cloudnine, Setor 14, Gurugram sobre isso. Ela diz que se uma mulher tem mais de quatro episódios de infecção em um ano, isso é chamado de infecção vaginal recorrente. Quanto a alguns dos organismos mais comuns em infecções vaginais, leveduras e bactérias estão no topo da lista.

água salgada para vagina
Você deve usar água salgada para tratar infecções vaginais? Cortesia da imagem: Adobe Stock

Água salgada para tratar infecções vaginais

Você deve ter notado que quando a água salgada está quente, ela dá um efeito calmante na vulva e na parte externa da vagina. O Dr. Jain diz que reduz temporariamente a coceira e o desconforto, mas não tem efeito a longo prazo. Tradicionalmente, o sal Epsom, que é o sulfato de magnésio, era usado para tratar infecções vaginais. O especialista explica que a água morna com sal geralmente aumenta o suprimento de sangue para a área vaginal. Pode reduzir a infecção vaginal como parte do processo de cicatrização natural. Mas é improvável que usar sal diretamente cure a infecção vaginal.

Anuncio

Sal e água quente na vagina: sim ou não?

Quando há extrema irritação lá embaixo, algumas mulheres tendem a usar água quente com sal. O problema é que a área genital é muito sensível. O especialista diz que temperaturas acima de 37 graus podem causar picadas e queimaduras. Adicionar sal a ele só vai piorar. É aconselhável não usar água quente com sal nas partes íntimas. Portanto, é melhor não tomar banho com água salgada quente ou sentar-se nela para tratamento de infecção vaginal.

água salgada para vagina
Sat, especialmente quando usado com água quente, pode causar sensação de queimação. Cortesia da imagem: Adobe Stock

Água salgada para aperto vaginal

Bem, a aplicação direta de sal pode causar queimaduras na vagina. Pode alterar ou remover bactérias saudáveis ​​da vagina e aumentar as chances de contrair uma infecção vaginal. Então, tente não usar sal para aperto vaginal. Você pode procurar outros métodos como o exercício.

Remédios caseiros para infecções vaginais

As infecções vaginais têm uma variedade de causas e o tratamento depende da causa subjacente. O Dr. Jain diz que estes são vistos mais agora devido a mudanças no estilo de vida, como usar roupas sintéticas apertadas, práticas sexuais alteradas e uso de sabonetes e itens perfumados nas partes íntimas.

Alguns dos remédios caseiros que você pode tentar são:

• Vinagre de maçã diluído
• Aplicação local de óleo de coco com ou sem óleo de melaleuca
• Aplicação de pasta de alho
• Uso de probióticos como requeijão

Embora esses remédios caseiros possam ajudar a reduzir os sintomas, é importante consultar seu ginecologista para um exame adequado e tratamento adequado. Os remédios caseiros podem fornecer algum alívio imediato, mas a longo prazo pode não ser a melhor coisa a fazer. Afinal, o autotratamento é algo que não é recomendado pelos médicos. Pode levar a infecções e queimaduras, além de remover bactérias saudáveis ​​da vagina.

[anuncio_2]

Enlace fuente

Artículo anterior6 esportes para perda de peso que ajudarão você a queimar mais calorias
próximo artículoBolo cuca de uva super fofinho
Director de Marketing de Jmsl Marketing, Vive en Nova Iguaçu, Casado, Ingresó al mundo literario en septiembre de 2011. Graduada en Letras en la UCB de RJ en 2016.