loader image
Receitas

Falsos mitos sobre coquetéis que pensávamos serem inabaláveis

eu 13 maio é comemorado lá dia mundial do coquetel, um “natalício” instituído nos Estados Unidos e que há alguns anos também comemoramos na Itália. Uma desculpa para saber e ingerir um bom bebida em companhia e sem exageros. A data não é escolhida ao casualidade: o 13 de maio de 1806 lemos pela primeira vez definição de coquetéis em um famoso tablóide de Novidade York. Ele escreve Harry Croswell: “O cocktail é um licor excitante, formado por aromas de qualquer tipo, açúcar, chuva e bitters”. Desde portanto, percorremos um longo caminho e agora esse termo se tornou comumente usado e todos sabem o que significa. o fenômeno de misturando está a ter cada vez mais espaço no nosso país, que continua a ser um dos países onde se bebe menos na Europa devido às tradições que nos fazem pender para o vino. Vamos tentar dissipar os falsos mitos mais importantes sobre coquetéis para comemorar adequadamente o Dia Mundial do Coquetel.

Tudo de incorrecto que pensamos saber sobre coquetéis

Uma vez que escolher, degustar e reconhecer uma boa bebida? Lá mixologia é um tema multíplice porque muitas vezes nós tomamos uma vez que patente algumas coisas que não são verdadeiras. Olhamos com suspicácia para cubos de gelo e desdenhamos coquetéis em copos pequenos porque nos sentimos enganados. Estes são somente alguns exemplos de errata crenças que temos sobre esta questão. Tentamos esclarecer as crenças mais comuns.

1. Coquetéis com muito gelo? Aguado

Imagem

Coquetéis com muito gelo eles não são diluídosna verdade, é exatamente o oposto. A quantidade abundoso de gelo cria uma espécie de “efeito iceberg” que mantém a bebida fresca por mais tempo, retardando a diluição. A diluição é importante e não deve ser confundido com “diluição”. Na verdade, a chuva cria o estabilidade patente que devemos sempre procurar em um bom coquetel. O gelo é nosso companheiro, não o tratemos mal.

2. Coquetel no copo? Por que é tão pouco?

Imagem

o coquetel não encolhe se o vidro for pequeno. Obviamente, as quantidades são diferentes, mas nem variam tanto quanto você pensa. Cada bebida tem seus ingredientes e as doses corretas para resultar equilibrado. Tomemos uma vez que exemplo dois cocktails muito famosos uma vez que o Cosmopolitan, para ser servido estritamente numa chávena, e o Long Island Ice Tea, para ser servido num copo grande e muito longo. O Long Island é uma das bebidas “mais longas” que existe e cada copo contém aprox. 12 centilitros de líquidos (metade dos quais são álcool); O “Cosmo” em vez disso tem 10 centilitros totalidade, dos quais 7 são álcool. Se quisermos nos aprofundar ainda mais nesse falso mito, narrativa outra curiosidade: Long Island, apesar de ter boa segmento Colaapesar de ser a bebida clássica da disco, tem um texto alcoólico em torno 28% vol, é um dos coquetéis “mais pesados” do mundo; o Cosmopolita, apesar de ter o 70% da formação composta por vodkaha 22% vol. Nem tudo é tão simples quanto nos parece.

3. Não quero me ferrar, vou tomar um coquetel gula

Imagem

Esta frase pode não ser tão sábia. Existem coquetéis doces com cumeeira texto alcoólico e coquetéis amargos mais leves ou vice-versa. O Garibaldi é um delicioso coquetel e tende a ser amargo, mas só tem 6,5% vol, tanto quanto uma cerveja e muito menos que um vinho. Mel e amargura são somente duas características, não afetam de forma alguma o texto alcoólico da bebida. Se pretende uma bebida mais ligeiro, confie oriente pedido ao barman, que certamente o poderá ajudar, ou opte por um mocktail, uma das tendências mais interessantes dos últimos anos.

4. Você pode fazer isso por mim?

Imagem

O sigilo de um coquetel perfeito está emestabilidade de seus ingredientes: base alcoólica, diluição certa, vedações, temperatura. Álcool em uma grande bebida não deveria sentir nem mais nem menos do que os outros ingredientes. tudo deve ser equilibrado e combinados com sublimidade. Uma presença pungente e quase invasiva de álcool quase certamente se deve a uma realização errada do barman. Perguntar “boa trouxa” não é elegante e garante uma bebida horrenda. É melhor tomar um destilado suave.

5. Meu Spritz está com uma cor estranha

Imagem

Estamos acostumados a ver o Spritz de um cor laranja luzidio mas a cor da bebida se deve somente ao amargo usado. A versão mais famosa é aquela com oAperol, um amargo obtido da infusão de ervas, raízes e muitas laranjas que dão muita cor à bebida. A opção mais generalidade é a col campari (curiosamente fazem segmento da mesma empresa-mãe), neste caso temos um Spritz de um laranja mais escuro. Outra versão muito famosa é com o Selecione, o amargo mais clássico, aquele que para os venezianos deveríamos trasladar uma vez que “a verdadeira receita”: neste caso a cor é muito mais escura e muito distante das notas alaranjadas a que estamos acostumados. Sempre pergunte pelos ingredientes usados ​​e encontre sua receita favoritacom base no paladar e não na cor da bebida.

6. Estou de ressaca por misturar diferentes tipos de álcool

Imagem

Falso mito muito generalidade, mas na verdade o “tipo” de álcool não afeta o nosso em zero ressaca. Embriagar-se e passar mal nunca é uma boa teoria, vimos que mesmo um copo de vinho por dia tem incidência de risco, mas tentar evitar bebendo somente uísque ou somente rum (por exemplo) não nos traz nenhum tipo de resultado . Se você não gosta de misturar gin e vodka tudo muito, se você não os bebe juntos por pânico de entrar ressaca é uma perda de tempo. A ressaca se deve a vários elementos e muitos compostos. Se o álcool for de subida qualidade, não há influência dada pela “mistura”. Se você não quer sintomas de ressaca, a única maneira é beba com responsabilidade.

7. Coquetéis precisam de um canudo

Imagem

O canudos eles são um grande problema e danos ao meio envolvente. Eles não devem ser usados, exceto em casos muito raros. A palha leva embora um pouco à bebida do ponto de vista olfativo, da experiência. A intervalo entre boca, nariz e copo é maior para que você não sinta muitos aromas do coquetel. Em um bar que se preze, a palha vem servido somente em certas ocasiões: quando você pede uma Caipirinha ou uma Caipiroska por exemplo, ou com coquetéis que requerem gelo picado ou naquelas bebidas com gelo picado à mão porque você pode gelificar seus lábios ou involuntariamente manducar pequenos pedaços de gelo. Só e só com oriente tipo de gelo (não muito respeitado no mundo da mixologia) se usam palhinhas, porque as minúsculas gemas de chuva congelada, quando se bebe, são volumosas. Em qualquer outro caso a palha é inútilna verdade, não é recomendado para uma degustação correta e satisfatória.

8. Mojito de hortelã moída

Imagem

Quantas vezes você já viu o barman chicotear a mão com um ramo de hortelã e jogá-lo no fundo do copo antes esmigalhar a hortelã? Muitos estão realmente convencidos de que o Mojito é feito dessa maneira, mas zero poderia estar mais incorrecto. No coquetel cubano a hortelã é misturada, não deve ser esmagado. Os primeiros mixers sabiam disso muito muito e já nos livros do início do século XX eles eram claros nesse ponto, portanto um pouco deu incorrecto. Provavelmente a mudança de rumo se deve a um erro de percepção dos clubes sul-americanos do século pretérito. O Brasil vira sorte turístico mundial, todo mundo bebe caipirinha eindústria ele se convence de que a “surra” funciona em quase todos os lugares. Neste caso também temos muitos ingredientes em generalidade, uma vez que o limão e o açúcar. Por desculpa dessa voga, substituímos cubos de gelo ou Collins por gelo em flocos por muitos anos. Tudo por desculpa da Caipirinha. Na verdade, um Mojito de última geração é feito com cubos de gelo sólidos, com boa menta que deve ser misturada rigorosamente para liberar todos os sabores, e com o açúcar mascavo mãe branco. Outro erro generalidade ou embuste, se preferir, vê a cana-de-açúcar escura “para simular a praia”. A versão original inclui açúcar mascavo, mas branco porque derrete mais rapidamente.

jonathan

Diretor de Marketing na empresa Jmsl Marketing, Mora em Nova Iguaçu, Casado, Entrou em Setembro de 2011 para o mundo literário. Formado em letras na UCB no RJ em 2016.